PNUD Financia Inquérito sobre a economia informal

127

Cerca de cem mil dólares foram os valores disponibilizados pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em Angola ao Instituto Nacional de Estatística (INE), com o fim de realizar o Inquérito sobre as Organizações da Economia Informal de Luanda.

Em declarações à ANGOP, após a assinatura de um memorando entre o INE e o PNUD, em cerimónia conjunta de lançamento do inquérito, o representante residente do PNUD em Angola,Edo Stork, disse que nunca antes foi feito um estudo dessa maneira e que apresenta informações úteis para ajudar o Plano de Desenvolvimento Nacional.

“O estudo não custa tanto dinheiro como um projecto em que se vai ao campo e tem que se realizar a actividade. O importante do estudo é que estamos a olhar para a economia informal, onde 70% ou 80% de cidadãos angolanos trabalham. Estamos a documentar a informação de milhões de pessoas que trabalham na economia informal”, referiu.

Por seu turno, director-geral do Instituto Nacional de Estatística (INE), José Calengi, o acto representa o interesse do INE e do PNUD em andarem juntos para facilitar o processo de produção estatística, dentro do interesse das duas instituições.

José Calengi avançou que o acto de recolha de dados deverá ser antecipado pelo processo formativo e o teste piloto, sendo que “a informação será recolhida de 330 membros de cada organização, de acordo com a metodologia previamente definida”.

Frisou espera-se que o estudo seja capaz de fornecer um diagnóstico dos impactos da crise a nível sectorial, na capital do país, bem como efeito da Covid-19 na actividade económica.

De acordo com o mesmo, o estudo poderá evidenciar o quadro da actividade informal em que os agentes operam, podendo jogar um papel na dinâmica de formulação e correcção de políticas no sector informal.

Assegurou que o INE está mais atento às necessidades que o quadro de desenvolvimento estatístico apresenta, procurando congregar todos os actores, desde produtores e utilizadores da informação estatística, de modo a compreenderem os procedimentos mitológicos e a forma como a informação deve ser interpretada para uma boa comunicação à sociedade.

Por seu turno, o director-geral adjunto do INE para área Social e Demográfico, Hernany Luís, fez saber que o estudo vai contar com a integração de 18 elementos, sendo 12 inquiridores, 2 supervisores provinciais, o mesmo número de equipa e dois motoristas.

Fonte: Angop

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!
X